quarta-feira, 17 de junho de 2009

A Formiga


É difícil dizer exatamente como ou de que forma aprendemos as coisas, mas uma coisa é certa, podemos aprender grandes coisas em momentos onde muitas pessoas jamais poderiam imaginar.

Muitas pessoas se perguntam o que nós viemos fazer aqui e o porquê estamos aqui, e para esta questão existe “N” respostas religiosas, filosóficas e até científicas. Bom, eu sou uma pessoa que não se prende de forma cética a alguma ideologia, sempre que algum novo conhecimento chega até mim, eu o analiso e procuro encontrar explicações para ele e se já tiver de alguma pessoa, eu analiso mesmo assim, ta, eu sei que sou estranho, já me falaram isso rsrs.

Uma experiência que tive a alguns anos, foi quando eu mais um amigo estávamos ajudando a capinar o gramado da casa de outro amigo, pois este estava fazendo uma faxina na casa. Pois bem, após cortarmos a grama com o cortador de grama, após isso jogamos água no gramado para ajudar a grama a crescer com mais facilidade. Ao começar a guardar a mangueira, algo me chamou a atenção no meio do gramado, tinha uma pequena poça d’água com uma única folha exatamente no meio dela, e próximo a ponta da folha havia uma formiga.

Agachei e não sei o porquê eu comecei a observá-la. Peguei um pedaço de graveto e comecei a afundar a folha, e automaticamente a formiga começou a ir para o ponto mais alto da folha. Pensei comigo, “uma explicação cientifica diz que isto é o instinto da formiga de se preservar, apenas instinto porque a formiga não tem Inteligência para raciocinar como nós”.

Explicarei algumas coisas para que possam entender a onde eu quero chegar:

O instinto é um comportamento automático que dizem já estar registrado como um comportamento programado que é feito em um computador, o animal ou inseto nascem com aquele instinto pré-colocado em sua mente. Ta, digamos que eu acredite nisso, digamos que eu acredite que um ser vivo que não seja humano não tem uma inteligência e por não pensar e agir como nós, são seres inferiores e desprovido de inteligência. Penso comigo, nós, seres humanos e cientificamente providos de inteligência e capacidade de raciocínio, nós também temos nosso instinto, algo que eu particularmente chamo de “automático”. O que seria para mim esta “automático”? Seria o seguinte. Quando começamos a pensar e raciocinar, ou mesmo, quando tem alguém nos ensinando alguma coisa, começamos a fazer algo novo e criar meios para realizar aquela atividade ou pensamento. Tudo no inicio é mais difícil e complicado, pois temos que pensar e repensar para fazermos com exatidão até conseguirmos fazer aquela atividade sem preocupação, pois já treinamos tanto e agora a fazemos com facilidade.

Da mesma forma que quando aprendemos as 4 operações básicas que são Somar, Subtrair, Multiplicar e Dividir, tínhamos um grau de dificuldade muito grande no inicio, mas quando aprendemos como funciona hoje as realizamos com tamanha facilidade que seria algo surreal para nós lá no inicio. Para fazermos 2+4+8-3 na primeira vez, era algo complexo para nós, hoje é simples, porque todo o caminho até a resposta já foi traçado e mapeado, agora quando nos deparamos com esta situação não precisamos mais procurar o caminho, ele já existe, precisamos apenas seguir que chegaremos à nossa resposta. Quando chegarmos a este ponto, eu chamo de “automático”, ou, raciocínio instintivo.

Voltando para o inicio lá quando eu observava a formiga, eu pensei, para qualquer um adquirir um instinto ou, raciocínio lógico ou mesmo, o “automático”, é preciso passar por um processo de “pensar” antes, e se um animal ou mesmo inseto tem isso, quer dizer que em algum momento ele pensou ou pensa.

Mas o porquê ele subiu para a ponta da folha quando eu baixei ela para dentro da água? Ele sabe que irá morrer? E se for, para a ciência ele não pensa, e da onde veio o instinto dele se não houve um pensamento antes?

Nós também temos, porque quando estamos em um momento que nossa integridade física ou nossa vida é ameaçada fazemos de todo o possível para preservá-la? Pela ciência se morremos já era, acabou tudo, bye bye, tchal... já era mesmo... Para o pensamento religioso (cristão, judaico ou mulçumano) diz que, ou a pessoa vai pro céu ou para o inferno, outras religiões diz que vamos para o País de verão, ou para o submundo e depois podemos renascer.. etc.. existem muitas explicações.

Eu sempre fui altamente questionador, curioso e nunca me satisfiz com meias palavras ou com respostas simples e superficiais... Para mim não existe “porque sim” ou “porque não”, tudo tem um motivo e explicação, nada acontece por acaso e coincidências absolutamente não existem!

Creio que todos nós estamos aqui para aprender, amadurecer, evoluir e passarmos de nível, uma das minhas bases para sustentar isso, é a nossa cede de sempre querer fazer as coisas bem feitas, porque se não fizermos assim termos que fazê-la de novo, e de novo até conseguirmos. Isso nós temos no trabalho, na vida pessoal, na vida conjugal, na relação com amigos, familiares etc, em tudo. E o porquê não queremos morrer, porque mesmo sem sabermos de forma clara e visual lutamos com todas nossas forças para nos mantermos vivos? Porque sabemos que estamos aqui por um período, e neste período temos que aprender coisas que precisamos para nossa evolução e amadurecimento espiritual, e quando passamos por algum problema e queremos pular e esquecer, até podemos e conseguimos, mas lá na frente a vida nos colocará em um momento e situação similar, se não igual aquela situação que queríamos esquecer e não resolver. E se morremos sem aprender e evoluir o quando precisamos, renascemos e passaremos por tudo o que passamos até chegar naquele ponto onde nosso percurso foi interrompido. Isso acontece quando nós queremos finalizar nosso caminho porque foi nossa vontade!

Não morremos de outros meios se não for a hora de morrermos, não morremos fora da hora, a não ser quando nós interrompemos nosso caminho.

Mas se chega nossa hora e tem coisas que nós deveríamos aprender e não aprendemos, vamos renascer e viver tudo e passar por tudo novamente, para que possamos aprender o que antes nós escolhemos esquecer e passar por cima daquele problema ou situação difícil.

Por isso nós queremos nos manter vivos, por isso nós sempre queremos fazer as coisas certas, e por isso que muitas pessoas dizem que vive passando por aquele problema, porque temos que aprender, temos que evoluir e amadurecer.

Um problema não vem para nos atrapalhar, ele vem para que possamos adquirir ferramentas através da experiência que passamos e com isso, adquirir ferramentas para nossa própria evolução e amadurecimento.

Quando encaramos os problemas e aprendemos com eles, aprendemos tanto e amadurecemos tanto que após esse período de “digestão”, que algum tempo após aquele problema, passamos ver tantas coisas que antes estavam na nossa frente só que éramos cegos para compreender aquilo. E mais pra frente quando passarmos por problemas similares, nós os encararemos com tanta naturalidade e facilidade que pode até acontecer da pessoa nem reparar que esta passando e resolvendo ele.

O principio e a ideia é a mesma que usamos quando estamos no primário aprendendo a somar, e a dificuldade que passamos com os problemas mexe com a mesma parte de raciocínio que usamos para resolver as equações matemáticas, as mesmas que quando conseguimos aprender, ao fazê-las de novo, as resolvemos com muito mais facilidade, pois já encontramos o caminho.

Por isso que aquela formiga estava preservando sua vida, porque mesmo ela sendo uma formiga, aquele ser está aqui para aprender, evoluir e amadurecer, assim como nós.

Nenhuma vida concreta esta a toa aqui, não importa se é um inseto, como aquela formiga, ou se é um cachorro que vive e mora na rua de nossa casa, assim como nós também. Não somos melhores e nem mais importante do que qualquer outro ser vivo, todos são seres importantes e estão aqui para um propósito.

Ao final, eu peguei aquele graveto que estava tentando afundar a folha, deixei que a formiga subisse nela e a coloquei em um lugar seguro!
Paulo Cuba

2 comentários:

musicsirens disse...

....vejo o rio cheio... cheio de lagrimas que ainda nao chorei...


muito bonito o seu espaço meu amigo..

Ester Lima disse...

Linda a sua forma de pensar, agir e de escrever. Encantei-me com o seu texto. Penso que somos uma sucessão de seres, e que este instinto a que você se refere e o mundo para onde vamos nada mais é que a memória coletiva, a herança individual e coletiva. Parabéns!